sexta-feira, 16 de março de 2018

REFLEXÕES NECESSÁRIAS SOBRE A INTERVENÇÃO MILITAR NO RIO

O Conselho Federal de Psicologia reuniu, no dia 7 de março de 2018, no Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 12 profissionais da área para abordar a relação da intervenção da cidade com a militarização do medo.


terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

A MENININHA E O BICHO PAPÃO


Texto de Fernando Brito sobre a intervensão federal no Rio de janeiro

"Amor, ironicamente, está escrito na camiseta, apenas.

No resto é espanto, deste que faz a gente torcer as mãos, só para ter uma mão qualquer que segure a nossa na hora do medo, ainda que, por falta de outra, seja a mão de nós mesmos.

Não sei seu nome, mas não importa. Mesmo pequeninos na imagem, seus olhos contam tudo, falam da história de três anos de vida numa quase ruína, num quase escombro, o único castelo de princesa que já conheceu.

Menininha, como fazer para não ouvir, ao te ver, os versos do Vinícius…

Menininha, que graça é você/Uma coisinha assim/Começando a viver/Fique assim, meu amor/Sem crescer/Porque o mundo é ruim, é ruim e você/Vai sofrer de repente/Uma desilusão/Porque a vida é somente/Teu bicho-papão

O bicho-papão vem assim, sem reparar que se veste de verde – que é a cor com que se desenha os monstros -, que usa máscara para que você não veja que são gente fantasiada, os clóvis, os bate-bola de um carnaval mórbido e tardio, que percorre as vielas de teu mundo, mundo da favela, onde você teima em brotar, como uma flor sem nome, mas com esse rosa – e rosa-choque! – para gente que não mais se choca.

Não, menina, a cena que te assusta não será revivida em divãs, não será tema de séries “cult”, não terá um pintor que a retrate, que nem mesmo valerá uma crônica senão esta, pobre e limitada, que é só o que posso te dar.

Posso apenas te prometer, talvez falsamente, que há gente que ainda tem escrito no peito o que você tem: love. Em inglês, português, em árabe, em francês , em sânscrito, em hebreu, em qualquer língua do esperanto que é a humanidade.

E que não tem, nem nunca terá medo do bicho-papão que faça te abandonar, sozinha, a torcer as mãozinhas.

PS. A foto vai sem crédito porque não o achei, e ao autor anônimo aplaudo a delicadeza."

FERNANDO BRITO · 26/02/2018

http://www.tijolaco.com.br/blog/menininha-e-o-bicho-papao/



domingo, 18 de fevereiro de 2018

O CINISMO INSTITUCIONALIZADO



Nestes últimos dias tenho lido e ouvido de tudo um pouco sobre os desfiles, os desgovernos, as violências e agora a “intervenção federal”. Nota-se que muitos nunca moraram no Rio, alguns nem passaram por aqui, e vários só usam seus comentários para justificar o injustificável. Lamentável que estudiosos sérios estejam sendo tratados como meros palpiteiros e, pior ainda, a direita sem argumentos, para variar, se limite a impropérios e agressões. Esquecem que o preço destas barbáries pagaremos todos, independentemente da bandeira política que ostente. 

Vejamos os fatos. 

Temer trama com seus comparsas um golpe, amplamente divulgado por gravações que todos ouvimos, “com supremo, com tudo”. Fizeram. Depois tirar Temer e levar para uma eleição indireta, onde o PSDB colocaria um homem seu. Deu errado. Choveu acusações contra Temer, PSDB, ministros e o troca-troca ainda não acabou. Fundamental era tirar Lula do cenário político. Deu errado de novo. Lula sobe incontestável em qualquer pesquisa de qualquer instituto contra baixíssimos índices de outros candidatos. Moro cada vez mais desmoralizado conta com apoio do STJ para reiterar condenação e aumentar a pena. Agora Lula não pode ser candidato. Será? A reação popular é oposta aos desejos dos golpistas. Aumenta os índices de Lula, aumenta o apoio popular a Lula e aumenta as denúncias internacionais contra uma condenação sem provas e cheia de erros jurídicos. O Brasil continua se desmoralizando no exterior, processo que se iniciou com o impeachment ilegal de Dilma, cresceu com as medidas absurdas de Temer, com a compra de votos no Congresso e a venda a preços irrisórios das riquezas nacionais, algumas inclusive que nunca se vendem por se tratar de segurança nacional. Sem falar de prisões ilegais e/ou desnecessárias para dar material para a mídia, cúmplice maior e indispensável nesse teatro todo. E toma fortunas em propaganda do desgoverno cheias de falsas notícias e distorções de dados. 

Nada funcionou. Nada convenceu de fato e Lula continua uma ameaça para que a elite de sempre volte ao poder. O que fazer agora? 

Vem o carnaval, o mais famoso no mundo, e a Globo concentra esforços em TODOS os seus noticiários mostrando clips repetidos das piores imagens de assaltos, roubos, arrastões, em seus sete noticiários diários! O prefeito vai pra Europa, o governador também se ausenta para sua casa no interior e a cidade fica a mercê da bandidagem, pousando sem medo para as câmaras de TV e celulares da população que adora fornecer informação e ter cinco segundos de fama. E o carnaval? O povo grita que rejeita Temer e seu desgoverno, rejeita todos os preconceitos, mostra que não aguenta mais tanto absurdo. Nas arquibancadas o nome de Lula e Fora Temer. 

Estava montado o teatro necessário para uma intervenção. Claro que não será para o Rio somente! Já o próprio Temer afirmou em cadeia nacional que recebe todos os dias pedidos de intervenção de todo o Brasil! Anuncia um novo ministério só para segurança e agora sim, poderão “intervir” em qualquer parte do país quando bem entenderem e ainda afirmar “que as instituições brasileiras funcionam perfeitamente, respeitando os limites de competências de cada uma”. 

Entendemos, senhor golpista, teremos uma ditadura “constitucionalizada”. 

Nem o famoso humor carioca consegue rir, ou fazer piada deste descarado, deslavado, hipócrita golpe à democracia. E com certeza coloca dúvida contundente se teremos de fato eleições em 2018. 

                              Cristina Manga
                               (in "Crônicas)


O TEMPO PASSA E CONTINUO DESENHANDO










quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

SOBRE STF E JUSTIÇA



"Carmen Lúcia, presidente do STF, afirmou na semana passada que "o que é inadmissível e inaceitável é desacatar a Justiça, agravá-la ou agredi-la. Justiça individual, fora do direito não é Justiça, senão vingança ou ato de força pessoal". Antes de tudo, é preciso dizer que nem ela, nem o STF, nem os tribunais e nem os juízes são a Justiça. Eles são integrantes de um poder do Estado e, como tal, no sistema republicano e democrático, são passíveis de críticas e precisam responder pelos seus atos perante a nação e perante a opinião pública. A toga não lhes confere poderes divinos ou angelicais. Pelo contrário - com exceções, claro, porque existem bons juízes - o Judiciário brasileiro está mais próximo da encarnação do mal. 

Como se disse, o Judiciário não é a Justiça. A Constituição o define como um dos poderes da União, sendo um de seus atributos e objetivos distribuir a Justiça, algo que o Judiciário não faz bem pela sua incompetência, pela sua parcialidade, pela sua arbitrariedade, pelos seus privilégios e pela sua corrupção. Se há alguém que aplica a Justiça de forma individual, fora do direito, como ato de vontade moral ou imoral, são muitos juízes, como vários juristas vêm denunciando. A caso do julgamento de Lula é emblemático neste sentido. Mas, diariamente, juízes decidem a partir de suas presunções e fora do direito, de forma enviesada, contra os pobres, contra os negros, contra as mulheres, contra os índios e contras várias outras minorias. Se isto não é vingança, é perseguição e é aplicação de força pessoal, respaldada por um Estado injusto. 

No Brasil, mal se tem acesso ao Judiciário. E ter acesso ao Judiciário não significa ter acesso à Justiça. Pelo seu caráter elitista, pervertido e corrompido, o Judiciário é um obstáculo ao acesso à Justiça. No Brasil, definitivamente, o Judiciário não garante a tutela jurisdicional efetiva aos direitos dos cidadãos, pois somos uma sociedade em que a imensa maioria não tem direitos garantidos. Ter acesso à Justiça, segundo doutrinadores de renome internacional, é um direito humano básico e preeminente e requisito fundamental de um sistema jurídico modero e igualitário que não se acomoda na mera proclamação dos direitos, mas que se empenha para garanti-los. Isto o nosso sistema não faz. 

Se Cármen Lúcia quis se referir ao Judiciário quando falou em Justiça, também se engana. De John Locke, pai do liberalismo moderno, aos Federalistas, de Henry David Thoreau a Martin Luther King e tantos outros, o direito à resistência e à desobediência civil a leis injustas e a poderes arbitrários é um direito consagrado no pensamento liberal-democrático dos Estados modernos e é uma forma de exercício da cidadania. No Brasil, temos várias leis injustas e os poderes, incluindo o Judiciário, degradados e perversos, a serviço de uma elite predatória. Locke conferiu estatuto de dever a desobediência a poderes arbitrários, arbítrio que se vê em muitas decisões do STF e de vários juízes. 

O STF não merece respeito porque não se dá o respeito. O STF agride a democracia de várias formas: magistrados são assessores informais do presidente da República a quem julgam; ministros do STF não se respeitam entre si, ofendendo-se mutuamente; o Tribunal é uma casa da mãe joana, sem regras, sem colegiado, funcionando sob a batuta do arbítrio individual, com a discricionalidade de um ministro poder paralisar um processo indefinidamente com um pedido de vistas; muitas de suas decisões seguem, não a lei e a Constituição, mas a vontade arbitrária aplicando decisões diferentes para casos semelhantes e assim por diante. O STF não merece respeito porque não respeita os cidadãos, as leis e a Constituição. 

O Judiciário é um poder notadamente corrupto. Juízes como Moro e os desembargadores que julgaram Lula, assim como o juiz Bredas, que se apresentam como paladinos do combate à corrupção, são moralistas sem moral. Todos eles recebem acima do teto constitucional e lançam mão de privilégios inescrupulosos e inaceitáveis, que ofendem a consciência nacional e a decência pública. O auxilio moradia é expressão da mais degradada e inescrupulosa forma de privilégios de uma casta, que merece repulsa pelo seu caráter odiento. 

O salário normal dos juízes já os coloca na faixa dos 1% de privilegiados, cujos rendimentos são mais do que 36 vezes superiores aos dos 50% que integram a população mais pobre do país. A renda média dos brasileiros é de R$ 1.242. Cem milhões vivem com até um salário mínimo. Já 90% têm renda inferior a R$ 3.300. O valor do auxilio moradia dos juízes é de R$ 4.377, fora os outros privilégios, chamados penduricalhos. Ou seja, somente esse auxilio é superior à renda de 90% dos brasileiros. Trata-se de um crime, de uma violência inaceitável contra a sociedade brasileira. Trata-se de um vergonhoso escândalo praticado por muita gente que tem casa própria. Mesmo que não a tivessem, o auxilio não se justifica porque é uma imoralidade, uma agressão ao interesse público. Esses privilégios todos, nas diversas formas de penduricalhos, atentam contra o princípio da moralidade pública inscrito na Constituição. Portanto, não são só imorais, mas também ilegais, pois se algum dispositivo os abriga, ele inconstitucional. 

O que se tem é uma profunda crise de legitimidade do Judiciário, que funciona praticando graves irregularidades: mantém presas pessoas que não deveriam estar presas, violando direitos; muitos juízes não julgam conforme o direito, mas segundo sua vontade arbitrária; muitos juízes são racistas e preconceituosos, ministram uma justiça contra os pobres e protegem os ricos; o Judiciário é incapaz de garantir uma tutela efetiva dos direitos dos cidadãos; o Judiciário é caro, moroso e ineficaz; juízes constituem uma casta de privilegiados, ofendendo os princípios republicanos e democráticos da Constituição; vários juízes, inclusive ministros do Supremo, violam recorrentemente a Lei Orgânica da Magistratura; o STF não só não vem exercendo o controle constitucional na atual crise, mas viola a própria Constituição em várias decisões. 

Isto tudo já não são formas de ativismo judicial. Trata-se de um poder degradado, que degrada a democracia e se autodegrada a si mesmo. O STF é o carro-chefe dessa degradação. Degradação que se alastra para as esferas inferiores, onde juízes de primeiro grau passaram a buscar a fama, destruindo a prudência, julgando com critérios midiáticos, ideológicos e moralistas. Ao se revelarem moralistas sem moral, por serem beneficiários de privilégios que são formas de corrupção, passam a ser alvos do desprezo e do ódio da opinião pública, deslegitimando a instituição que deveria ser a garantia do funcionamento legal e constitucional do país nesta grave crise política. 

O juiz Moro foi um dos artífices do golpe contra a democracia e o STF dele também participou de forma ativa e pela omissão. Ali está a raiz da degeneração e da degradação desse poder. O horizonte que se tem pela frente é o da anarquia judicial, da insegurança jurídica, das bravatas de juízes a exemplo desse que tomou o passaporte de Lula, das conspirações na emissão de sentenças a exemplo dos três desembargadores do TRF-4, da perseguição jurídica como a praticada por Moro e da fanfarronice como a praticada por Bredas ao se apresentar portando um fuzil. Se a perda da sacralidade pelos homens e mulheres de toga é um ganho para a cidadania, a anarquia judicial é um estímulo crescente para a violência social e poderá sê-lo para a violência política, pois as instituições mediadoras estão desmoralizadas."

  Aldo Fornazieri
 (Publicado no Blog GGN do Luís Nassif.)


sábado, 3 de fevereiro de 2018

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

CERTEZAS



                  Dizem a hora mais escura da noite
                  é antes do amanhecer.

                  Creio se aproxima esta hora
                  onde tudo clareia,
                  posto que mais escura a noite
                  não poderia ser.

                  Pelos caminhos gente
                  sem colheita do plantio
                  e torpes proclamando vitórias
                  que não haverão de ver.

                  A força oculta dos Sonhos
                  nesta escuridão de agora
                  irá renascer robusta
                  no amanhecer!

                                         Cristina Manga
                                (in "Momentos e Ventos")


domingo, 10 de dezembro de 2017

VOCÊ SABIA?

Há muitos anos atrás essa informação correu via e-mail em formato PowerPoint.
Agora esta entrevista divulga a mesma informação. As imagens não são tão nítidas, mas a informação vale a pena.



A CORRIDA DA VIDA

Na corrida da dessa vida é preciso entender,
que você vai rastejar, vai cair, vai sofrer.
E a vida vai lhe ensinar que se aprende a caminhar
e só depois a correr.

A vida é uma corrida que não se corre sozinho,
onde vencer não é chegar, é aproveitar o caminho,
sentindo o cheiro das flores e aprendendo
com as dores causadas por cada espinho.

Aprenda com cada dor, com cada decepção, 
com cada vez que alguém lhe partir o coração.
O futuro é obscuro e às vezes é no escuro 
que se enxerga a direção.

Aprenda quando chorar, quando sentir saudade, 
aprenda até quando alguém lhe faltar com a verdade.
Aprender é um grande dom, aprenda que até o bom 
vai aprender com a maldade. 

Aprender a desviar das pedras da ingratidão, 
dos buracos da inveja, das curvas da solidão, 
expandindo o pensamento, 
fazendo do sofrimento a sua maior lição. 

Sem parar de aprender, aproveite cada flor, 
cada cheiro no cangote, cada gesto de amor, 
cada música dançada e também cada risada 
silenciando o rancor. 

Experimente o mundo, prove de todo sabor,
sinta o mar, o céu e a terra, sinta o frio e o calor,
sinta sua caminhada e dê sempre 
uma parada pelo caminho que for.

Pare, não tenha pressa, não carece acelerar, 
a vida já é tão curta,
é preciso aproveitar essa estranha corrida, 
que a chegada é a partida e ninguém pode evitar. 

Por isso que o caminho tem que ser aproveitado, 
deixando algo bom para ser lembrado.
Vivendo uma vida plena, fazendo valer à pena 
cada passo que foi dado.

Aí sim, lá na chegada, onde o fim é evidente,
é que a gente percebe que foi tudo de repente,
e aprende na despedida que o sentido dessa vida 
é sempre seguir em frente.
Bráulio Bessa





quinta-feira, 2 de novembro de 2017

AS FANTÁSTICAS FOTOS DO MEU AMIGO FOTÓGRAFO

Há muito coleciono as fantásticas fotos de Cadú de Castro, que orgulhosamente chamo de amigo, não pela proximidade física, mas pela afinidade do olhar sobre a realidade.

Cadú tem a sensibilidade de um poeta e  cria poemas em imagens. Isso me cativa. 

Em suas viagens, nos seus trabalhos, na sua convivência com indígenas nos traz o ritmo da vida, hoje numa aldeia Tukano no Médio Amazonas.

Registro aqui uma pequena parte deste trabalho. Suas imagens dispensam maiores apresentações.








terça-feira, 31 de outubro de 2017

UMA ANÁLISE DO BRASIL 2017



O Brasil pode estar caminhando para uma fase que no futuro chamaremos de "2o Período Colonial", no qual a soberania popular foi substituída pela partilha do país entre as grandes corporações estrangeiras, a escravidão foi reimplantada de forma mais sofisticada e as igrejas fundamentalistas passaram a doutrinar ideologicamente a massa emburrecida pelo jogo de aparências das redes sociais.

Da mesma forma que o Chile de Pinochet foi o laboratório do neoliberalismo via "doutrina de choque", o Brasil de Temer é um tubo de ensaio para um novo colonialismo com a destruição dos Estados e nações, tendo o consentimento das oligarquias locais que rejeitaram um projeto de país e que aceitaram serem sócias menores do grande capital apátrida.

Enquanto isso, grupos privados bilionários financiam "movimentos" de direita para convencerem pessoas desinformadas a acreditarem que a agenda dos bilionários de privatização e desmanche do Estado é boa para a população.

Agora, até grupos separatistas aparecem como se surgissem por geração espontânea, sem sequer ser investigado quem os financia.

O Brasil sangra enquanto sua riqueza é roubada e seu povo explorado. Proliferam oportunistas de toda espécie e a resistência está no Facebook, preocupada em saber quantas curtidas terá, sem se ligar que esta rede social é parte central no processo de controle social e ideológico das massas.

Se tenho esperanças? Sim, por que enxergo as coisas numa perspectiva histórica. Mas já estou preparado para viver uma idade das trevas e a dar a contribuição que for possível para revertê-la no longo prazo.

Thomas de Toledo
Professor de Relações Internacionais da UNIP, historiador pela USP, mestre em Desenvolvimento Econômico pela Unicamp e especialista em BRICS.


quinta-feira, 26 de outubro de 2017

PAGOU UMA FORTUNA E SÓ ESCAPOU POR 18



Acompanhei quase por inércia a votação de ontem na câmara (com minúscula sim, porque assim é). O golpista escapou por 18 votos, apesar de todo o dinheiro que espalhou. Ficou bem claro, para mim, que o peso das próximas eleições pesou para alguns na hora de votar. Por outro lado revelou uma câmara muito rachada em seus setores conservadores. PSDB queimado,rachado e muito, evangélicos rachados e até gente de super direita votou contra o relatório. Claro que não por serem bonzinhos...

Se por um lado ficou claro que não existe a tal “base do governo”, por outro é para preocupar os possíveis resultados da próxima eleição em 2018. 

Quem assistiu, além dos disparates de sempre, uma observação mais atenta mostra um profundo racha entre os políticos profissionais de todos os partidos. Exceção dos nanicos, que como sempre, vendem seus votos ao melhor preço da ocasião. 

A oposição ficou coesa. Isso alimenta alguma esperança para 2018. “Alguma” porque ainda não sabemos se aprenderam as lições das eleições passadas. Teremos que pagar para ver...

O baixo nível cultural, os preconceitos escancarados, os raciocínios evidentemente embaralhados, a dificuldade de expressão e a falta de consciência política, no real sentido do termo, a completa ausência de vontade de administrar a coisa pública e não o bolso próprio, o partido próprio, o poder pelo poder, nos coloca uma enorme preocupação com relação ao destino do país nas próximas eleições. Falar de mal caratismo, roubalheira, alianças espúrias e coronelismos nem precisamos, vemos isso todos os dias.

O Globo deu ordem e seus noticiários e comentaristas cumpriram. O governo teria saído vitorioso e o país vai bem obrigado. Só alienado total para embarcar numa mentira dessas.Temer escapou por 18 votos. Evidente derrota para quem vendeu caro pelos votos.

O país vai de mal a pior e se não houver uma total reviravolta nas absurdas medidas tomadas por este governo golpista, seremos reduzidos a colônia do deus mercado.

O povo? Desempregado, agoniado, sem educação, sem hospitais, sem remédios, sem escolas que formem as gerações futuras, com fome e sem ter para onde correr, afinal isto que aí está tem a cumplicidade do judiciário, do STF, do legislativo formado por bandidos comprovados e a polícia... Bem... Melhor correr dela também para não morrer de bala sem saber por quê.

Se Deus é brasileiro que baixe por aqui a jato! Antes que não sobre país para salvar!

Cristina Manga
(in "Crônicas")


domingo, 22 de outubro de 2017

A LIÇÃO DA RATOEIRA


Um rato olhando pelo buraco na parede vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Ficou aterrorizado quando descobriu que era uma ratoeira.

Foi para o pátio da fazenda advertindo a todos:
- tem uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa!

Porém, a galinha que ciscava, levantou a cabeça e disse que não lhe dizia respeito, pois ela não corria perigo por causa da ratoeira. O cordeiro foi sarcástico, dizendo que ia orar pela alma dos ratos. O boi mal deu ouvidos a um animalzinho tão insignificante. Então o rato voltou para a casa, cabisbaixo e abatido, para encarar a ratoeira do fazendeiro.

Naquela noite ouviu-se na casa um barulho característico: a ratoeira aprisionara sua vítima. A mulher do fazendeiro correu para ver o que a ratoeira havia pego. No escuro ela não viu que a ratoeira pegou a calda de uma cobra venenosa. A cobra picou a mulher.

O fazendeiro a levou imediatamente ao hospital. Ela voltou com febre. Achando que uma canja confortaria sua esposa o fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal – a galinha.

Como a mulher continuava mal, amigos e vizinhos vieram visitá-la. Para alimentá-los o fazendeiro matou o cordeiro.

A mulher não melhorou e acabou morrendo. Muita gente veio para o funeral. O fazendeiro, então, sacrificou o boi para alimentar todo aquele povo.

Na próxima vez que você ouvir um companheiro dizer que está diante de um problema e acreditar que isso não lhe diz respeito, lembre-se: quando há uma ratoeira na casa, toda a fazenda corre risco.

Autor Anônimo.


quinta-feira, 13 de julho de 2017

NÓS AVISAMOS!



Dissemos que estavam armando um golpe contra Dilma, até gravações de Jucá vieram a público confirmando isso. Não acreditaram em nós. Nos insultaram. E o golpe foi dado e o mundo inteiro falou que foi golpe. No Brasil silêncio.

Dissemos que os golpistas iam atacar os direitos dos trabalhadores e afundar o país. Não acreditaram em nós. Insultaram. E o país despencou para uma recessão nunca vista na história, com o maior índice de desempregados. No Brasil silêncio.

Dissemos que Moro não combatia a corrupção, que o objetivo era só atacar o PT, que agia com o golpe e para o golpe. Não acreditaram em nós. E Moro saiu prendendo qualquer petista e tendo sentenças anuladas por tribunais superiores, inocentou a mulher do Cunha que gastou mais de um milhão em roupas numa tacada só, mas ele disse que ela foi "ingênua" e que era inocente (uma jornalista formada e ex contratada da Globo). Nenhum tucano foi indiciado, ou preso, apesar de serem citados por quase todos os delatores. Para ele "não vinha ao caso". No Brasil silêncio.

Dissemos que o que a república do Paraná fazia era só para prender Lula e que nenhuma prova existia, pelo contrário, foram muitos os depoimentos que o inocentaram e até mesmo empresas estrangeiras contratadas por Moro informaram não haver atos ilícitos de Lula. Não acreditaram em nós. Insultaram. O Brasil em silêncio. E agora com Lula na cabeça de todas as pesquisas para eleições em 2018, ele condena Lula e retira dele direitos políticos. Mais escancarado impossível.

Hoje cansei. Tudo que afirmamos se confirmou, mas nada acontece que impeça esse desastre de governo, desastre de justiça, desastre que arrebenta com a vida da gente. Hospitais fechando, UPAS transformadas em hospitais de guerra, a fome voltando para a população de baixa renda,aposentadoria arrebentada, a economia nacional no buraco, (disseram os golpistas que tudo se resolvia tirando a Dilma e em 3 meses...mais uma mentira deles que os paneleiros se calam). Investimentos básicos congelados por 20 anos e o Brasil? Se cala?!

Estou cansada. Um país onde a justiça é sinônimo de coronéis togados, onde um presidente denunciado por crime comum manipula, compra voto e continua presidente sem que nada o impeça, onde a Suprema Corte é cúmplice de marginais e usurpadores, onde a polícia mata sem se importar com crianças no caminho das balas, onde as pessoas estão a mercê dos marginais corruptos e coronéis que ocupam o Congresso, onde as riquezas do país são loteadas para estrangeiros para enriquecer os que usurparam os poderes do estado,um país assim é um país que deixou de ser nação. 

Quem ri por último ri melhor diz o ditado. Mas não posso rir de vocês. Não tem graça. Sei que vocês também vão parar de rir quando chegar as consequências disso tudo batendo nas suas portas. Então será tarde. E de nada adiantarão os insultos que proferiram. Terão que se explicar com seus filhos e netos e responder como puderam orquestrar uma desgraça dessas para todo o país, motivados somente por propaganda da mídia, interesses particulares, preconceitos e raivas fabricadas. Não gostaria de estar na pele de vocês, porque não acredito que seus netos olharão para vocês com outra coisa que não nojo!

Cristina Manga
(in "Crônicas")


domingo, 14 de maio de 2017

DIA DAS MÃES 2017



Neste dia, especialmente, quero agradecer aos meus filhos Daniel e Christiane a oportunidade que me dão todos os dias de ser mãe e aos meus netos Gabriel e Rafaela por serem alegria de continuidade. Porque se eu cuidasse de suas casas e comidas seria apenas sua empregada ou faxineira. Se cuidasse quando estivessem doentes, seria apenas sua enfermeira. Mas ser caminho de liberdade e respeito é bem mais do que ter uma função na vida de outro ser. Que seja sempre por Amor e nunca por obrigação. Por essa oportunidade agradeço sempre. 

Quero agradecer, também, a outros “filhos” que conquistaram esse espaço no meu coração, como são todos aqueles que chamo carinhosamente de “meus guris”. Vocês também me fizeram crescer como pessoa e ainda fazem todos os dias. Alguns mais de perto, outros mais de longe, mas todos exigem de mim todos os dias o exercício da maternidade, mesmo quando silencio.

Aproveito para desejar boa sorte neste processo de crescimento e vivência a todas e todos que abraçam esse caminho. Especialmente meus amigos pais, que praticam a maternidade. 

Minha eterna gratidão a meus pais Ivone Tirelli e Mário Manga por terem sido caminho e me ensinado a ser.

A todas e todos meu carinho, meu respeito e minhas orações.

Cristina Manga
(in Crônicas)


domingo, 30 de abril de 2017



Texto de Pablo Villaça na sua página do Facebbok

Neste exato momento, há um jovem chamado Matheus Ferreira da Silva ligado a máquinas que o ajudam a respirar enquanto seu rosto, inchado pelos golpes que recebeu e pela cirurgia feita às pressas para salvá-lo, permanece semioculto por imensas bandagens.

Matheus estava desarmado. Correndo para evitar a pancadaria que a PM distribuía em um número de manifestantes que não chegava perto daquele formado por policiais, o rapaz subitamente foi atingido de surpresa na testa pelo cassetete de um policial militar.

O cassetete se partiu ao meio, tamanha a ferocidade do agressor supostamente pago para proteger a população.

Matheus teve traumatismo cranioencefálico, ainda corre o risco de morrer e - caso sobreviva - pode sofrer sequelas que o acompanharão pelo resto da vida.

Enquanto isso, o indivíduo que o enviou para a UTI ainda não foi identificado por seus superiores embora as imagens exibam seu rosto claramente. E mesmo que seja identificado, o mais provável é que sofra o mesmo tipo de processo das centenas de policiais que massacraram inúmeros manifestantes em 2013: nenhum.

Agora imaginem o que ocorre nas favelas brasileiras e que diariamente passam pela brutalidade policial sem qualquer registro em vídeo que possa inibir a violência. Se diante das câmeras a PM age assim, o que ocorre longe destas é a pura barbárie.

Resquício da ditadura, a corporação, na prática, segue como braço armado do Estado para reprimir qualquer um que ouse questioná-lo, atuando também como símbolo dolorido da opressão econômica. É algo que vem de cima para baixo; uma lógica perversa que transforma o que deveria ser uma defesa do cidadão em um recurso para mantê-lo calado e passivo diante das injustiças cotidianas.

Aliás, de um ponto de vista puramente semiótico, é curioso notar como a imagem que traz o PM tentando matar Matheus (e é possível que sua tentativa ainda seja bem-sucedida) inclui, presa a um semáforo ao fundo, uma placa de sinalização que aponta ser proibida a conversão à esquerda.

O que vivemos hoje no Brasil, com a PM repressora, com um congresso dominado por bandidos que querem tirar os direitos do povo, com um judiciário tomado por figuras como a que quis proibir os trabalhadores de irem à Av. Paulista no Dia do Trabalhador, com uma mídia que não tem vergonha de identificar o PM criminoso como "homem trajado com uniforme de policial" e com um "presidente" que serve aos interesses da elite econômica e cobra fidelidade dos golpistas que o colocaram no poder é uma ditadura.

Uma ditadura que, cada vez mais, se aproxima, em termos de violência, daquela que a partir de 1964 quase destruiu toda uma geração. E que só tende a piorar.

                                          
                                                       Matheus Ferreira da Silva

segunda-feira, 24 de abril de 2017

O MUNDO ENLOUQUECEU E EU ESTOU FICANDO MALUCA


Quadro Os Trabalhadores de
 Tarsila do Amaral

Todos os dias o Facebook me manda um recadinho de “você tem lembranças para este dia com...” e lá vou eu ver quais são e se há nelas algo bonito para resgatar. De um ano, de dois anos, de três... E o que vejo? Um monte de gente na rua contra o impeachment; um monte de gente na rua dizendo que é golpe e que queremos respeito aos votos vitoriosos na eleição; um monte de jornais internacionais dizendo que é golpe, que não há nada que justifique; um monte de gente mostrando porque estariam dando um golpe; especialistas em leis dizendo que é golpe; e outra vez um monte de gente na rua protestando contra o golpe. E um bando de malucos úteis batendo panelas pedindo que dessem o golpe, achando ótimo! Aí um grupinho pago por uma empresa americana (confessado por eles mesmos!) dizem que falam por todos os brasileiros! E a televisão e os golpistas dizendo que “escutaram a voz das ruas”. Como assim? E eu que estou doida? 

E o golpe é votado e aprovado. Em nome da democracia! (?) Contra a corrupção! (?) e quando acaba aquele espetáculo horrível que chocou até a comunidade internacional, 24 horas depois o marido citado pela deputada como exemplo é preso por corrupção e ministros saem correndo dos cargos citados por corrupção; e um a um os que tramaram o golpe são citados por corrupção. E o senado da outro show de corrupção com delatados comandando a orquestra. Para completar a insanidade geral, o juiz encarregado de combater a corrupção dispensa investigação sobre corruptos citados e insiste em processar os não delatados. E eu que sou maluca? Para completar, as leis valem para todos, mas um juiz de província recebe passe livre para não respeitar as leis! (?) A Constituição deixa de ser Constituição e todos os dias rasgam e jogam fora mais um conjunto delas em nome da lei! E o que dizer desse mesmo juiz se encontrar, jantar e ter convivência com os mais delatados por corrupção? E eu que estou errada e maluca? 

E não faltaram avisos: vão acabar com os direitos constitucionais! (não acreditaram); vão vender as empresas estatais (não acreditaram); vão provocar desemprego (não acreditaram); vão enterrar a economia (não acreditaram). E o que aconteceu? Tudo o que foi dito e ainda querem mais. As panelas? Caladas! E eu que sou doida?

Enquanto isso o golpista gasta rios de dinheiro com jantares para comprar votos (e a corrupção?), o juiz continua seus esquemas de chantagens, buscando provas que não encontra contra quem ele quer e seus procuradores ficam furiosos com a ideia que possa existir qualquer tipo de controle sobre seus desmandos. E são defensores da lei? Que lei? 

A Globo deve milhões ao INSS, o Itaú outros tantos (e com lucros acima de bilhões!), mas a previdência está quebrada porque tem muito gasto com trabalhador? E o golpista perdoa milhões em dívidas das empresas e ainda paga outros milhões para fazer propaganda paga na TV (que é concessão do estado!) dizendo que seu governo está “salvando o país”? E eu que estou maluca?

Enquanto isso mais de 13 milhões de pessoas desempregadas, fora as subempregadas que não sabem como vão pagar o teto, a comida, o transporte, a escola dos filhos, faltando dinheiro até para procurar emprego... Nem falemos dos nervos a flor da pele aumentando as dificuldades naturais da vida como a convivência familiar.

E o que dizer da reforma de ensino? Um chimpanzé terá mais preparo pra vida que os filhos dessa reforma! E a reforma trabalhista? Podiam revogar a Lei do Sexagenário e a Lei Áurea que daria no mesmo. Nenhuma garantia para o trabalhador além da senzala, da chibata e do tronco. Com nome diferente para pousar de leis modernas... E um monte de gente falando bobagens, brigando por bobagens, desfilando incoerências políticas de toda ordem. Estou ficando maluca, fala sério!

E o que dizer dos derrotistas, dos pessimistas, dos falsos pacifistas, dos hipócritas, dos que acham que política é coisa de políticos e que não adianta fazer nada? O que dizer dos que juntam as mãos e esperam que Deus resolva o que eles mesmos criam e mantém? O que dizer dos que estão cheios de olhos para ver o defeito, o erro dos outros e não fazem nem por um minuto uma autocrítica? São perfeitos? Jura? Mas que lindos! Podiam se juntar e fundar um paraíso por aqui mesmo, né? Isso se os americanos e tal deixassem. Mas enquanto sonham, os EUA e seus afins brincam de ameaçar tacar fogo no mundo todo! E eu que estou doida?

Vamos falar sério? Alguém é capaz de citar uma coisa sequer, apenas uma, que nós usamos de qualquer espécie que não tenha chegado a nós porque vários trabalhadores fizeram? De que adianta empresas e bancos sem trabalhadores? E quando será que o trabalhador vai entender isso? Se não houver trabalhador não haverá nenhum tipo de mercadoria, comércio, serviços, indústrias ou bancos. Sem trabalhador acaba a riqueza de toda espécie. ENTÃO VAMOS PARAR! GREVE TOTAL, NACIONAL, DE TODAS AS CATEGORIAS DE TRABALHO! 

DIA 28 DE ABRIL FIQUE EM CASA!
NÃO COMPRE NADA
NÃO GASTE SEU DINHEIRO COM COISA ALGUMA
DIA 28 DE ABRIL MOSTRE QUE VOCÊ TEM VALOR!

Deveria ser por tempo indeterminado! Só assim eles vão entender que governo é para administrar a coisa pública a favor do povo, da nação e não em benefício de pequenos grupos privilegiados enquanto o povo passa fome. CHEGA! NÃO DA MAIS PARA CONTINUAR NESSE SUICÍDIO NACIONAL. ESTOU DOIDA? NÃO! AINDA ME RESTA SANIDADE SUFICIENTE PARA ENTENDER O ÓBVIO!

Cristina Manga
24/Abril/2017
(in "Crônicas")


domingo, 16 de abril de 2017

ALELUIA FELIZ PÁSCOA

FELIZ PÁSCOA!


Feliz passagem, feliz renascer da Esperança, feliz despertar para uma nova vida, são algumas ideias que se associam a esta festa da Ressurreição de Cristo.

Festa que todo o mundo cristão celebra entre rituais que recordam os fatos desses dias: seu julgamento, seu martírio, sua morte e sua ressurreição ao terceiro dia. Com pequenas diferenças o discurso gira em torno dos fatos.

No entanto, são os significados que transformam os fatos numa mensagem revolucionária: vencer o ódio com Amor; vencer o desespero com a Esperança; vencer o medo com as certezas da Verdade; vencer a morte com a ressurreição para uma nova vida. Nova vida, novo Mandamento, novas atitudes, tornar-se um novo homem. 

Rever nossa visão da vida e seus objetivos recordando que estamos de passagem, que nossas atitudes e pensamentos definem o que somos e se estamos de fato no caminho do Cristo ou dos que crucificam. Se vivemos pela Lei do Amor ou das moedas. 

A espiritualidade e a fé não se resumem aos rituais de nenhuma igreja, antes se concretizam na forma como tratamos a vida e tudo e todos que ela abrange. Ser cristão foi e ainda é um ato revolucionário, posto que implica em atitudes que se opõe às atitudes e discursos das sociedades. Exige coerência diária e contínua com os ensinamentos de Cristo: Amor Incondicional é a lição do Cordeiro. E não nos livra da crucificação. Ainda hoje gritarão Barrabás! Queremos Barrabás! Ou pior, seremos beijados por algum Judas para nos entregar a carrascos e ainda assim nos manter no Caminho. 

Desejo que tenhamos todos uma Feliz e Eficaz Páscoa!

                      Cristina Manga
                      (in "Crônicas")


terça-feira, 4 de abril de 2017

PROFESSOR ESCUTA CADA COISA!



Era uma sétima série como todas: hormônios e descobertas pelos poros, atenção difícil, aquela inquietude típica de adolescentes. Para encarar era necessário muito jogo de cintura, pensamento rápido e doses grandes de malabarismos pedagógicos para ajudar a fixar conteúdo.

Por tudo isso sempre repetia e repetia perguntas simples do que já sabia que iria cair na prova. E nelas sempre colocava uma questão que chamava “questão de graça” de tão simples resposta e de tanto que foi repetido.

Sendo o Egito Antigo o conteúdo naquele momento do ano, a ‘questão de graça” da vez era: Como se chamavam os reis do Egito após a unificação? Resposta “Faraó” e eis um ponto. Zero não teria mais! Perdeu a conta de quantas vezes fez a pergunta e em coro a turma respodeu, Faraó!

Tudo certo, matéria em dia, repetecos de fixação feitos, aplicar a prova.

Recolheu no final da aula e foi pra casa tranquila. Esta turma vai se sair bem, pensava.

A surpresa ficou por conta da correção. Na pergunta “Como se chamavam os reis do Egito após a unificação?” Resposta: Múmia. 

Nãoooooo! Não pode ser! E mais quatro “múmias” filaram do aluno relapso! Por essa não esperava!

                                          Cristina Manga
                                          (in "Crônicas")


SONHO DE EMBALAR




                                      Estava a pensar
                                      Num canto de embalar
                                      Com vozes suaves,
                                      Cantos de encantar.

                                      Ai,que bela ideia!
                                      Vamos navegar no oceano,
                                      Nas águas límpidas,
                                      Com aves como tucanos.

                                      Navegar cada vez mais alto,
                                      O barco voa até a luz do Sol
                                      Até que bate e caio numa nuvem
                                      Com o formato de caracol.

                                      De repente,
                                      De um sonho acordei,
                                      Abri os olhos,
                                      E alegrei.

                                                        in "Um Cantinho de Rafaela"


AVES



                                       
                                  Já nas tardes,
                                  Lá pro norte vão as aves ,
                                  Uma cena tão calma do dia ,
                                  Que transmite paz e alegria
                                  Com os sons tão suaves

                                  A minha avó disse
                                  "Essas aves são as gaivotas"
                                  Quem me dera
                                  Que com essa distância
                                  As gaivotas serem tão pequenotas.

                                  Já nas tardes,
                                  Lá no norte vão as aves,
                                  E quem me dera
                                  Que vão me dar tantas saudades.

                                                        in "Um Cantinho de Rafaela"


TEMPO E VIDA



                                O tempo é imprevisível,
                                Tão incrível,
                                Tão simples
                                Tão maravilhoso

                                Nós vivemos muito tempo
                                Mas mal notamos,
                                Os segundos,minutos,horas,
                                Dias,semanas,meses,anos
                                Que vivemos bons e maus momentos
                                Que eles, nós,
                                Tanto adoramos.

                                A vida é tão delicada!
                                Uma decisão pode mudar a vida completamente,
                                Tão simplesmente

                                O tempo não se decide sozinho...
                                Nós é que escolhemos o destino,
                                Tal como somos nós que decidimos
                                Quando chega o soninho
                                Só é mais complexo

                                Passamos por décadas
                                Os bons e maus momentos
                                Mas sempre há uma maneira
                                De esquecer os maus sentimentos.

                                                       in "Um Cantinho de Rafaela"


TERRA



                                      
                                  Terra, terra,
                                  Tem cinco continentes
                                  Com mais de um milhão
                                  De pessoas contentes!

                                  Tem rios, lagos, mares, oceanos,
                                  Montanhas, planícies, planaltos e vales
                                  Que aqui estão a mais de mil anos!

                                  Esse planeta é o único com vida,
                                  Essa terra tão querida.

                                  Pena que tem tanta solidão
                                  Esse planeta que nem é tão pequenito,
                                  Nem tão grandalhão.


                                          in "Um Cantinho de Rafaela"