sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

O QUE SOMOS AFINAL? (Ficção?)




“Seres estelares viajando permanentemente entre dimensões, aprendendo e servindo, oficiando o sacro-ofício em rota eterna. Sim. Conscientes da ilusão do tempo vivemos no eterno agora unificando todas as multi-experiências individuais e coletivas”.
Assim falou uma das Águias no topo da Montanha antes que pudesse agradecer os ensinamentos um

estampido violento e espessa fumaça arrebatou a todos diretamente ao centro de uma cidade sob ataque violento. Cada som era seguido de explosões e fogo espalhando-se com destruição e cheiro de morte e terror, provocando em nós uma dor profunda vinda direto do coração da terra e do pavor de crianças, mulheres, velhos, homens de toda idade, escondidos em abrigos como formigas que aguardam...

Milhares de anos buscando o despertar das consciências do planeta e tudo volta como se nada de fato tivesse sido compreendido por esta chamada humanidade terráquea. Mudaram-se as roupas, as formas externas e muitos conhecimentos galgaram espaços em todas as áreas. E agora, como explicar toda essa barbárie?

A Águia mais velha aproximou-se de mim e murmurou: “seres estelares com livre arbítrio! Quem disse a você que toda essa evolução tinha em todas as criaturas o mesmo propósito? E que todos têm o mesmo índice de evolução? O que tu fazes mostra a tua consciência e os teus propósitos e através deles a “Grande Águia” vê e reconhece cada um, seus parceiros e objetivos reais.”

Eu permanecia paralisada. Sentindo a dor do coração da mãe Terra como se todos os horrores passassem através do meu corpo. Incapaz de deter tanta estupidez, incapaz de absorver tanto desamor. Minha mente permaneceu consciente dos desejos ocultos de poder, das mentiras, das prepotências, dos absurdos dos propósitos ditos e ocultos.

Uma forte Luz cercou-nos e começou a girar formando um túnel como um redemoinho. Era uma espécie de ciclone de luz que por onde passava trazia para dentro de si todo tipo de seres de luz e projetava-nos em outra dimensão. De lá, em segurança, observamos as conseqüências de toda ordem, entre os parceiros das manipulações.

Finalmente quando tudo cessou fui transportada de volta ao topo da Montanha com minha tribo e todas as tribos voltaram a seus lugares de origem e a mãe terra conheceu a Paz.

Ao meu lado um casal de crianças perguntou-me: “o que somos afinal”?

“Somos seres estelares com propósito definido de viver plenamente na Luz, pelo Amor Incondicional sob toda e qualquer circunstância”.

Eles sorriram confiantes e foram conversar com as plantas do jardim... Não havia mais preços a pagar pelo privilégio de ser Amor.

                                                                                     Cristina Manga
                                                                                (in "Alguns Retratos")

4 comentários :

  1. Menina,
    Ainda estou meio tonta com o vôo da águia sobre minha cabeça.
    É um acordar violento, mas que no fundo é verde.

    GOSTEI!!!
    Odile Cantinho - Recife - PE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tua opinião é tudo pra mim! Muitooo obrigada minha amiga linda!
      Até para comentar você é poética e profunda!
      Te admiro muto minha poeta!
      Com todo meu carinho e respeito um beijo enorme!

      Excluir
  2. Que texto é esse? Me arrepiou! Estou cada vez mais encantada pelo que você escreve. Que dom maravilhoso.
    Beijão, Paulinha

    ResponderExcluir