quarta-feira, 6 de maio de 2009

FALANDO SOBRE A VIDA ALHEIA










Trocando exercícios com Raphael Maranhão o “mais velho”




                    Eis o tema imposto
                    (para meu desgosto).
                    Porém, colocado como foi
                    pelas mãos sorridentes
                    de um companheiro faceiro
                    não posso negar-me. Não.

                    Vida alheia, alheia é!
                    Alheia mesmo!
                    Logo, falo sobre ela calando.
                    Falo quando calo,
                    não expondo o outro,
                    mistério implícito,
                    num julgamento vulgar explícito,
                    que nem a mim cabe.

                    Falo sobre o alheio
                    no silêncio costumeiro,
                    para não ser como diz o povo
                    apenas uma comadre.

                    Porém se o “alheia”
                    for de estar alheio
                    à margem
                    esquecido de uns ou todos,
                    então não calo
                    não me omito
                    não sei fazer silêncio.
                    Grito! Berro! Esperneio!
                    Para não ser eu própria
                    uma alheia
                    de alienada
                    de descuidada
                    de desamorada!

                                                  Cristina Manga
                                                  (in "Recomeço")


2 comentários :