quinta-feira, 15 de outubro de 2009

O RESULTADO DA NOSSA HIPOCRESIA É A MORTE: ABORTOS MATAM 70 MIL POR ANO

A difusão do uso de métodos anticoncepcionais fez diminuírem os índices globais de abortos, mas os abortos inseguros matam anualmente 70 mil mulheres ou causam danos, alguns irreversíveis, a milhões.

Houve queda no número de abortos, mas não no de abortos inseguros. Com o acesso mais fácil ao procedimento, com relaxamento das restrições em muitos países, o número de abortos caiu dos estimados 45,5 milhões em 1995 para 41,6 milhões em 2003, segundo relatório do Instituto Guttmacher, entidade norte-americana que estuda a saúde sexual e reprodutiva, publicado na última terça-feira. Mas o estudo constatou um número espantosamente alto — quase 20 milhões — de abortos inseguros.

Grande parte acontece em países pobres e muitas vezes são realizados pelas próprias mulheres, com uso de drogas inadequadas ou beberagens à base de ervas, ou por curandeiros sem capacitação. “As restrições legais não evitam que o aborto aconteça, apenas tornam o procedimento perigoso. Muitas mulheres têm sequelas irreversíveis ou morrem por não terem acesso ao aborto legal”, declarou Sharon Camp, presidente do Instituto Guttmacher.

Segundo os pesquisadores, cerca de 40% das mulheres vivem em países onde há fortes restrições ao aborto. É preciso um esforço para levar os métodos contraceptivos a um número maior de mulheres para evitar as cerca de 76 milhões de gestações indesejadas que acontecem a cada ano.

Nos países em desenvolvimento, os gastos com tratamentos para mulheres que fizeram abortos inseguros são da ordem de US$ 500 milhões. Akinrinola Bankole, diretor de pesquisa internacional do Instituto Guttmacher, destaca que a questão financeira pode ser um bom argumento para a mudança das políticas públicas para o assunto. “Os países em desenvolvimento e as nações doadoras deveriam olhar para os números, que demonstram claramente que prevenir a gravidez indesejada é mais econômico”, analisa. Em nossa opinião…

Um grupo religioso não deve impor seus valores a pessoas que não fazem parte do mesmo grupo. Por exemplo, achamos que um grupo muçulmano que acha que uma mulher não pode sair na rua sem um véu que cubra seu rosto não tem o direito de impor esse costume a mulheres que não façam parte do grupo. Da mesma forma, um grupo que acha que o aborto vai contra suas crenças religiosas não deveria ter o direito de impor seus valores a todos. Esses grupos deveriam trabalhar em prol de fornecer a mulheres pobres e sem instrução a possibilidade da contracepção.

Enquanto a Igreja Católica for contra qualquer forma de contracepção, ela está sendo cúmplice de tragédias como a da África onde milhões de pessoas vão morrer de Aids por não usarem preservativos.

http://opiniaoenoticia.com.br/vida/saude/abortos-matam-70-mil-por-ano/?optin

-------------------------------------------------------------------------------------------------

Antes que alguns falsos moralistas venham me perguntar se estou fazendo campanha a favor do aborto legal, quero dizer que sim. De que adianta declarar que o aborto é contra a vida e fazer olhos cegos a tantas mulheres que morrem por falta de assistência para fazer aborto seguro? Não as estamos condenando a morte? E, no caso, condenando a morte seres que já estão no mundo dos vivos comprovadamente, enquanto o ovo ou feto não sabemos em que momento do processo de gestação receberia o espírito/alma. Então matamos, e morremos de medo da condenção das igrejas se abortarmos. Parece-me bem estranho e pouco cristão...

Abro a reflexão considerando que Deus (em nome de quem todos falam e se dizem intérpretes) nos criou com livre arbítrio e, reza nos documentos religiosos em geral, que pelo uso do livre arbítrio seremos julgados por Ele. Então não cabe a terceiros (de qualquer espécie) julgar os atos de outrem, nem mesmo impedi-los! Não está escrito "não julgueis e não serão julgados"? Parece lógico, não?
Se outrem decide sobre o que posso ou não fazer e eu acato estou negando meu direito à liberdade, uso do meu livre arbítrio com relação a meus talentos, e o que responderei quando Ele me perguntar o que fiz com eles? Que os entreguei nas mãos dos sacerdotes? Dos políticos? Dos supostos guardiões de uma moralidade que nem eles mesmos tinham? Complicado... Provavelmente serei chamada de "servo(a) infiel"...

De repente fico lembrando que foram os sacerdotes que entregaram Jesus a Pilatos e desejavam, mais do que qualquer outro, sua morte. Ou ainda de uma africana jóvem, casada com um homem aidético, que a "irmã de caridade" lhe disse que não devia usar camisinha porque era pecado. Orientou a jovem a manter sua vida sexual com seu parceiro porque era "seu dever de mulher" e como prevenção "rezasse", pois o Senhor a protegeria e ela não seria contaminada. Quando a jovem voltou com o exame comprovando que tinha contraído AIDS a freira lhe respondeu que isso era devido ao fato de que a fe da jovem não foi consistente. Deus! Perdoai-os... Não podem saber o que fazem! O que as igrejas estão fazendo na África é desumano, desamorado, imoral, contra toda a lei do Amor. E Deus é definido como Amor. Logo, devo concluir que o Deus do Amor, ao que sirvo, não pode estar presente nesses discursos absurdos.

Vivemos num estado que se autoproclama LAICO. Que todos tem o direito a assistência à saúde, entre outras coisas, e que cabe ao estado fornecer ao cidadão tal assistência. Será que a Constituição Brasileira está sendo respeitada? Nem falar em "direitos humanos"! Afinal, é laico ou não é? E a DEMO-CRACIA fica aonde? Existe de fato quando os direitos de todos não são assegurados? Ou será que meus direitos, minha assitência enquanto cidadã, minha liberdade de opinião e do  meu fazer (o que quer que seja - respeitados os limites do outro) só existem quando estiverem nos parâmetros ditados por sacerdotes e/ou filiados? Que estado é esse? Que liberdade é essa? Que livre arbítrio é esse? Que Deus é esse que eles inventam conforme suas próprias interpretações e tentam impor a todo mundo?

Cristina Manga

Um comentário :

  1. confesso que tb não fui sensível em todas as outras discussões sobre o assunto que se trata de um ser vivo, comprovadamente (a que possui pode carregar o feto) e o feto (sem certezas de nada)... esse texto foi bastante rico para as novas (outeras) discussões. coloquei esse teu texto num comentário aê... espalhei!

    ResponderExcluir