sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

HIPOCRISIA HISTÓRICA OU ESCRAVIDÃO BRANDA

Meraldo Zisman
Médico Psicoterapeuta

Atualmente, à memória da morte de Zumbi dos Palmares é celebrada no dia 20 de novembro; é o Dia da Consciência Negra. A semana dentro da qual está esse dia recebe o nome de Semana da Consciência Negra. E esta croniqueta foi escrita para remontar ao assunto.

O recente sucesso editorial dos “livros-reportagens” do jornalista Laurentino Gomes, trilogia numérica: 1808,1822 e 1889 (esta última ocupa por mais de catorze semanas a lista do best-seller nacional) é um fato muito bom.

A população alfabetizada (minoria, que lê ou compra livros) tomou ciência de que, para se conhecer o País, faz-se necessário conhecer/julgar o passado para não repetir os mesmos desacertos no futuro. Oxalá.

Dessas safadezas/camuflagens que impigem crianças desde o básico escolar, o assunto mais disfarçado é que somos um país sem racismo.

Essa lorota vem desde quando os índios foram escravizados e os negros trazidos d'África a força, para um cativeiro “brando” como afiançam alguns doutores e sábios de nossa intelectualidade estudiosa, que se proclamam peritos no tocante à formação do Povo Brasileiro.

Quem assim age ou é ignorante ou hipócrita. Prefiro acreditar na primeira hipótese (ignorante). Escravatura branda não passa de alegoria, da mais torpe (do tipo Solução Final do Nazismo), mas foi isso que as professorinhas (inocentes ou despreparadas) impingiram-nos desde a escola primária com as tolices do tipo: mãe preta, irmão e irmã de leite e outras crendices...

(A escravidão no Brasil não foi melhor nem pior daquela praticada nos países colonizados pelo Inglês, o Holandês, o Francês, o Belga ou outro qualquer colonizador). Quem já viu colonizador bom?

Escravatura é Escravatura e não difere uma... de nenhuma... Onde quer que ela seja praticada, nem quanto às suas motivações políticas e muito menos econômicas: cana de açúcar, lavoura de café ou de algodão, mineração, etc.

Tais baboseiras podem até agradar os ouvidos dos deitados eternamente em berço esplêndido. Não passam de aleivosias ou de tentativas de sacanear a História. É fazer graça com o sofrimento de outrem e quem assim é ensinado passa de boboca para aparvalhado.

No ano de 1695, Zumbi é morto no Quilombo dos Palmares pelas tropas do bandeirante Domingos Jorge Velho. Trazido de São Paulo para acabar com aquele grupo de pessoas cujos corpos e pele tinham maior capacidade de produzir melanina, e só. Ter mais melanina na pele equivale a ser raça inferior. Para o que se esqueceram: melanina é um pigmento negro encontrado em locais diversos do corpo, como pele e pelos.


Não pensem que Palmares fosse um aglomerado de poucos casebres. Havia mais de 30.000 almas lá vivendo, à época. Era a segunda cidade do atual Estado das Alagoas.

Você sabe o que fizeram com Zumbi?
Pois é, o pobre foi torturado, castrado e seus órgãos genitais enfiados na boca, que foi costurada e – somente então - morto.

                                                        Meraldo Zisman

Professor Titular da Pediatria da Universidade de Pernambuco.
Psicoterapeuta.
Membro da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - SOBRAMES, da
União Brasileira de Escritores e da
Academia Brasileira de Escritores Médicos.
Sócio da Sociedade Internacional de Psicossomática - London.
Doutor em Medicina pela Universidade Federal de Pernambuco e da
Universidade de Bristol (UK).
Consultante Honorário da Universidade de Oxford (UK).
Sócio Fundador da ABMP-PE.
Professor Livre Docente da Universidade Federal de Pernambuco.
Cientista Visitante Tavistock Istitute. Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE) da Escola Superior de Guerra.
Ex-Delegado da Adesg em Pernambuco.
Comenda Josué de Castro (Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco).


Nenhum comentário :

Postar um comentário